Cores nos Ovelheiros

De acordo com o padrão CBCK da raça, emitida em 28 de agosto de 2000, são admitidas todas as cores, e na minha humilde opinião deixa o Ovelheiro Gaúcho ainda mais belo esta abertura de não proibição de cores! O texto é simples e objetivo:

COR: Todas as cores são admitidas.
PELO: Deve ser adaptado às intempéries e mudanças climáticas. Pelos médios e
abundantes. Pelagem mais rala nos cotovelos e jarretes.

Por outro lado, vimos nos exames genéticos, que a definição da cor de um animal é algo muito mais complexo e por estar escondido no DNA, sem aparecer na pelagem propriamente dita! São genes de cores, de intensidade, diluição, grisalho, fulvo, máscara, piebald, arlequim, merle, saddle tan, … as possibilidades de combinação são inúmeras e fazem com que cada ovelheiro seja único e … maravilhoso, não é?

Graças a essa variabilidade genética que cada ninhada é um supresa!! Muito difícil prever como serão as cores dos filhotes

Nos exames que fizemos no MyDogDNA, foram testados 4 cães e abaixo os resultados, e, após os resultados, a explicação sobre cada cor, segundo a própria MyDogDNA. Vale ressaltar que esta apresentação não é a mais usual… é mais comum vermos os resultados pela dupla do gene.

Obs.: deixei apenas os resultados que temos apenas 1 cópia, aquelas variantes que não deram resultado para nenhum dos cães, foram removidas da planilha para facilitar a leitura.

VarianteGaiaScottPacoCapataz
Cores
Recessive Red2011
Tan Points2121
Anciente Red (eA)0000
Chocolate Variant 10100
Dilution (d1)0000
Dominante Black0001
Fawn ou Sable0101
Mask0100
Recessive Black0000
Red Intensity0000
Pelagem
Peibald2010
Merle0010
Saddle Tan0101
Comprimento e Ondulação
Long Hair2222
Curly Coat0100
Outros Padrões
Albino0000
Furnishings0000
Hair Ridge0000
Reduce Shedding0000
Exames realizados no laboratório MyDogDNA

Padrões de Cores

São 18 variantes de cores testadas, listadas e explicadas abaixo.

A variante Recessive Red, Recessive Red (e2) e Recessive Red (e3) faz com que apenas tons de pigmento vermelho (feomelanina) sejam exibidos na pelagem de um cão, variando de um vermelho profundo a laranja, amarelo ou mesmo branco. A variante também é conhecida como variante e é encontrada no gene MC1R (conhecido como locus E). Duas cópias do Recessive Red são necessárias para exibir uma pelagem mais clara, que pode variar do branco ao vermelho, embora existam outras variantes que podem resultar em um efeito semelhante. A quantidade de pigmento vermelho na pelagem, chamada de intensidade, é governada por outros genes. As variantes e2 e e3 são raras podem causar a pelagem mais escura.

A variante Red Intensity causa uma diminuição na concentração do pigmento vermelho (feomelanina) na pelagem. A feomelanina é o pigmento responsável pelas cores da pelagem vermelha, amarela e creme claro. A variante Red Intensity é encontrada no gene MFSD12 (também conhecido como I ou locus de intensidade). Cães com duas cópias da variante Red Intensity são mais propensos a apresentar tons de pelo amarelo, creme ou branco em vez de tons de vermelho mais profundos. Se o cão não exibir padrões de pelos vermelhos ou vermelhos sólidos, não haverá nenhum efeito visível. Outros genes, notadamente variantes no gene KITLG, também contribuem para a variação da intensidade do pigmento vermelho, portanto, alguns cães podem ter pelagens amarelas ou amareladas.

A variante Tan Points é responsável por um padrão distinto e simétrico de castanho e pigmento escuro, com manchas castanhas na sobrancelha, bochechas, tórax e pernas. Esta variante também é necessária para que ocorra um padrão de Saddle Tan. Duas cópias, ou ocasionalmente uma cópia, desta variante pode resultar em um padrão de cor de pelagem preto e castanho.

A variante do Ancient Red (eA) causa um aumento na proporção de pigmento vermelho (feomelanina) para pigmento escuro (eumelanina) na pelagem quando expressa. A variante também é conhecida como variante eA e é encontrada no gene MC1R (conhecido como locus E). Para esta variante ter efeito ele deve herdar dos dois pais Anciente Red e também deve estar presente uma cópia de alguma das variantes do Recessive Red gerando interações complexas na cor da pelagem.

A variante Chocolate (Variante 1), também conhecido como bc, faz com que todos os pelos escuros, aros dos olhos, nariz e almofadas das patas do cão sejam castanhos ou chocolate em vez de pretos. Esta variante é encontrada no gene TYRP1 (conhecido como locus B). Para mostrar a coloração do chocolate, um cão deve herdar duas cópias das variantes do chocolate, uma de cada pai. Podem ser duas cópias de uma variante específica ou duas de qualquer combinação de variantes de chocolate.

Chocolate (Variante 2), também conhecido como bs, faz com que todos os pelos escuros, aros dos olhos, nariz e almofadas das patas do cão fiquem castanhos ou chocolate em vez de pretos. Esta variante é encontrada no gene TYRP1 (conhecido como locus B).

A variante Chocolate (Variante 3), também conhecido como bd, faz com que todos os pelos escuros, aros dos olhos, nariz e almofadas das patas do cão fiquem castanhos ou chocolate em vez de pretos. Esta variante é encontrada no gene TYRP1 (conhecido como locus B).

A variante Chocolate (variante 4) é um alelo b adicional descoberto pela primeira vez no Pastor Australiano. Faz com que todos os pelos escuros, aros dos olhos, nariz e almofadas das patas do cão sejam castanhos ou chocolate em vez de pretos. Esta variante é encontrada no gene TYRP1 (conhecido como locus B).

A variante Dilution variantes d1, d2, d3 causam um clareamento ou diluição de pigmentos, especialmente pigmentos escuros (eumelanina). O pigmento preto diluído parece cinza e o pigmento chocolate diluído parece um marrom cremoso. O pigmento vermelho ou amarelo (feomelanina) pode apresentar um leve clareamento da cor. As variantes são encontradas no gene MLPH (conhecido como locus D). Para mostrar a diluição da cor da pelagem, um cão deve herdar duas cópias de uma variante de diluição, uma de cada pai. Podem ser duas cópias de uma variante específica ou duas de qualquer combinação de variantes de diluição.

Dominant Black é responsável pelas cores da pelagem preta e tigrada. A variante Dominant Black também é conhecida como KB (ou Kbr se tigrado) e é encontrada no gene CBD103 (conhecido como locus K). Uma ou duas cópias do preto dominante darão ao cão uma pelagem preta (dependendo das outras variantes), aros dos olhos, nariz e almofadas pretos. Uma cópia também pode dar a aparência de um tigre listrado, conhecido como padrão tigrado.

Fawn ou Sable é um dos padrões de pelagem vermelha mais comuns e é responsável por uma pelagem com uma base vermelha e pelos com pontas escuras, geralmente mais escuros na testa, orelhas, coluna e cauda. Fawn (também denominado “ay”) é encontrado no gene ASIP (conhecido como locus A). As cópias desta variante farão com que os cães mostrem fulvo se não tiverem outra variante que mascare este efeito, como uma pelagem simples vermelha, preta ou branca.

Grizzle (grisalho) é responsável por um efeito misto de cabelos claros e escuros, com a parte inferior do corpo parecendo mais clara do que a parte superior. A variante Grizzle, também conhecida como Eg e Domino, é encontrada no gene MC1R (conhecido como locus E) e é uma característica rara. Uma ou duas cópias da variante Grizzle podem resultar na cor da pelagem Grizzle.

Mask causa pelos faciais escuros, principalmente no focinho do cachorro, que se parece um pouco com uma máscara. A variante Mask também é conhecida como Em e é encontrada no gene MC1R (conhecido como locus E). Uma ou duas cópias da mutação Mask resultarão na presença de uma máscara facial escura cobrindo o focinho. Esta máscara pode cobrir apenas a parte frontal do focinho ou pode se estender até o peito e as patas dianteiras. A máscara pode ser escondida por outras variantes de características.

A variante Recessive Black é uma causa rara da coloração da pelagem preta. A variante Recessive Black, também conhecida como variante “a”, é encontrada no gene ASIP (conhecido como locus A). Duas cópias da variante Recessive Black são necessárias para que uma pelagem preta seja vista, e também a ausência de outras variantes modificadoras da pelagem, como chocolate e vermelho recessivo.

Padrões de Pelagem

Nos padrões de pelagem, foram 4 variantes testadas, a seguir

A variante Piebald (malhada) causa manchas brancas, manchas e/ou uma pelagem completamente branca. Também pode causar olhos azuis, nariz rosa ou “borboleta”, aro dos olhos rosa, unhas dos pés brancas e almofadas das patas rosa. A variante Piebald, também conhecida como “sp” (para manchas), é encontrada no gene MITF (conhecido como locus S). Os cães com cópias da variante Piebald têm probabilidade de apresentar manchas brancas, manchas e / ou pelagem branca, com duas cópias tendo um efeito maior do que uma, embora a força desse efeito possa ser influenciada por outros genes. Manchas brancas não são uma cor, mas sim uma falta de pigmento. O pigmento é necessário para o desenvolvimento normal da visão e da audição, portanto, se manchas brancas cobrirem a área da orelha, o cão pode ser surdo nessa orelha. Os cães em maior risco são aqueles com poucas manchas coloridas. Este risco não se aplica a cães cuja cor branca se deve ao gene vermelho recessivo, como Poodles.

A variante Harlequin resulta em um padrão distinto de manchas coloridas em um fundo de pelagem branca, mas apenas quando a variante merle também está presente. A variante Arlequim é encontrada no gene PSMB7 (conhecido como locus H). Para que o Arlequim seja visto, os cães devem herdar uma cópia do Arlequim e pelo menos uma cópia da variante Merle.

A variante Merle causa um padrão de pelagem irregular, comum em muitas raças de pastoreio. O padrão de cada cão é único. Em um cão preto, áreas pretas e prateadas serão vistas, ou em um cão chocolate, áreas marrom e bege. Pode ocorrer em combinação com muitos outros padrões de pelagem e pode causar olhos azuis ou nariz total ou parcialmente rosa. A variante Merle é encontrada no gene PMEL (conhecido como locus M). A maioria dos cães com uma cópia da variante Merle apresentará padrões Merle. A maioria dos cães com duas cópias será quase toda branca, mas em alguns casos exibirá padrões Merle. Alguns cães com esta variante não apresentam o padrão Merle. Isso ocorre porque a variante Merle às vezes pode ser encurtada (conhecida como Merle críptico ou atípico) e essas formas não afetam a aparência. Um cão que herda duas cópias de merle é chamado de “duplo merle” e, a menos que variantes atípicas ou crípticas de merle estejam presentes, isso representa um risco significativo para a saúde do cão. Os cães double merle costumam ser surdos e cegos ao nascer e também podem ter olhos anormalmente pequenos (microftalmia). Por esta razão, dois cães visivelmente merle nunca devem ser criados juntos.

A variante Saddle Tan é responsável por um padrão de cor vermelha com uma sela de pêlo escuro nas costas. A variante está localizada no gene RALY. Uma ou duas cópias da variante Saddle Tan são necessárias para que a “sela” seja vista. No entanto, a variante Tan Points também deve estar presente. A variante Saddle Tan é considerada do tipo selvagem, ou variante padrão.

Comprimento da Pelagem e ondulação

Aqui temos 6 variantes testadas.

A variante de Long Hair causa pêlo comprido em cães e está localizada no gene FGF5. Como essa variante é recessiva, duas cópias devem ser herdadas para produzir uma pelagem longa. No entanto, existem outras variantes suspeitas de influenciar o comprimento da pelagem.

Long Hair contempla mais quatro variantes 2, 3, 4 e 5 que causam cabelo comprido em cães. Para mostrar uma pelagem longa, um cão deve herdar duas cópias de uma variante de long hair. Podem ser duas cópias de uma variante específica ou duas de qualquer combinação de variantes. Esta variante é bastante rara e encontrada principalmente em raças de origem antiga, como o Chow Chow e o Eurasier, raças de origem ancestral do Oriente Médio, Ásia ou Ártico, como o Husky Siberiano, o Galgo Afegão e o Shar-Pei Chinês. Provavelmente, existem outras variantes raras que influenciam o comprimento da pelagem.

A variante Curly Coat causa um tipo de pelo crespo e está localizada no gene KRT71. É provável que uma cópia dessa variante produza um crespo suave, enquanto duas cópias provavelmente geram um crespo mais fechado. A pelagem encaracolada é menos aparente em cães de pêlo curto do que em cães longos. Existe uma outra variante Curl conhecida e provavelmente outras variantes ainda desconhecidas.

Outros padrões

A variante Albina testada causa uma incapacidade completa de produção de pigmento (albinismo). A variante está localizada no gene SLC45A2. Duas cópias desta variante resultarão no cão sendo albino sem pigmento corporal. Outras variantes são conhecidas por causar albinismo no Bullmastiff e no Doberman Pinscher.

A variante Furnishing causa barba, bigode e sobrancelhas frisados e está localizada no gene RSPO2. Cães com uma ou duas cópias da variante furnishing provavelmente exibem barba, bigode e sobrancelhas felpudos, mas uma pelagem longa ou crespa tornará essa variante menos aparente.

A variante Hair Ridge causa uma crista permanente incomum de cabelo que desce pela espinha do cão. A variante Hair Ridge é uma duplicação dos genes FGF3, FGF4, FGF19 e ORAOV1. Uma ou duas cópias dessa variante resultarão em um cão com uma crista de cabelo subindo pela espinha. A largura e o comprimento da crista e o número de coroas podem variar.

A variante de Reduced Shedding está associada a uma tendência diminuída de um cão perder pelo. A variante está localizada no gene MC5R. Uma ou duas cópias da variante de Reduced Shedding provavelmente reduzirá a tendência de um cão a eliminar. Cópias da variante furnishings, principalmente duas, também reduzem a tendência de um cachorro perder pelo. A ausência dele indica queda de pelos sazonais, de acordo com a variação climática (verão – inverno).

Vamos aos resultados?

Algumas observações interessantes: Gaia possui marcação tricolor oculta, portanto pode produzir filhotes tricolores. Scott tem marcação chocolate! Capataz tem marcações de Tan e Sable, também ocultas.

Por isso cada ninhada é uma caixinha de surpresas! Verdadeira obras divinas.

O Saddle Tan, que costumamos chamar de capa preta, nascem iguais aos tricolores mas, conforme vão crescendo o amarelo vai aumentando junto e espalhando mais, ficando apenas a “capa preta”.

Percebam como o amarelo aumentou muito depois.
Olhem a mudança!
E esse bebezão rede merle com tom de chocolate!

Cores padrão CBKC

Mas se você estive se perguntando como encaixar todas essas cores na hora de registrar uma cor no pedigree CBKC, abaixo temos o mapa de cores disponíveis para registro. Ele foi revisado no ano de 2020 com o foco em em nome de cores mais “internacionais” e conhecidas.

Contribuíram para este post a Dr. Luciana Machado, médica veterinária e criadora de Collie e Ovelheiro Gaúcho, e o Canil Morada de São Chico com as images das cores CBKC. Os textos sobre cada padrão de cor foi traduzido das páginas dê resultados do MyDogDNA.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: