Fenótipo x Genótipo

Já escrevi 3 pequenos artigos sobre genética, testes e doenças, mas afinal, o que é a genética ou, em última instância, ter uma criação baseada em genótipos (qualquer animal: gado, cavalos, ovelhas …)

O primeiro eu falei sobre a importância de realizar alguns testes genéticos. No o segundo abordei um pouco sobre as principais doenças genéticas. E por fim, no terceiro post, montei uma pequena base com resultados de cães que eu conheço.

Primeiramente vamos definir genótipo e fenótipo. Lembrando que a minha intenção é ser sempre simples e essas definições são aquelas que aprendemos nas aulas de biologia no colegial!

Fenótipo é o conjunto de designações que usamos para definir as características de: morfologia (forma e estrutura), fisiologia (funcionamento do organismo) e comportamento. É incompleto dizer que o fenótipo são apenas as características visíveis! Nosso tipo sanguíneo é uma característica fenotípica e não pode ser determinada a olho nu.

Dizemos também que as características fenotípicas sofrem alterações do meio ambiente (pele queimada pelo sol) e/ou com o passar do tempo (os cabelos que se tornam grisalhos).

Genótipo é o conjunto dos genes que formam um organismo, nossa sequência genética, nosso DNA. Vamos pensar no gene para Merle, sendo ele dominante, representando “M” para merle e “m” não para merle, podemos montar as tabelas abaixo

Uma observação muito importante aqui: qualquer característica física é definida por uma variedade de genes! Este exemplo de merle é puramente ilustrativo. A genética é bem mais complexa que isso e deixo o assunto para os geneticistas! Meu intuito aqui é explorar a importância deste tipo de teste.

MerleMm
MMM
duplo merle
Mm
merle
mMm
merle
mm
não merle
Merle = característica de cor

MerleMM
MMM
duplo merle
MM
duplo merle
mMm
merle
Mm
merle
Merle = característica de cor

Vamos aproveitar essa tabela para definir os possíveis resultados dos testes genéticos:

  1. Normal ou Clear ou Não Afetado: é quando o indivíduo não carrega nenhum gene que afeta ou causa uma doença ou característica, no nosso exemplo de merle, seria o “mm”.
  2. Portador Não Afetado ou Carrier: o indivíduo tem 1 gene apenas, podendo ou não manifestar a característica. São os indivíduos “Mm”. Na maioria dos casos haverá a manifestação na pelagem, mas como essa característica depende da combinação de outros genes, as vezes ele pode não se manifestar.
  3. Afetado: este é o caso que característica é manifestada! é o “MM”.

Percebam nestes exemplos que podemos ter cães que não teriam uma pelagem ou características de merle visíveis, ou seja, os merles ocultos (“Mm”) e que poderiam produzir cães duplos merles… e no pior caso, produzir cães cegos e/ou surdos.

No caso das doenças, em geral o gene dominante é o gene saudável e o gene “doente” é recessivo. Logo, a maioria das doenças genéticas são recessivas, então teríamos:

  1. Normal: animal não doente e não transmite para seus descendentes;
  2. Portador não afetado: animal não doente mas pode transmitir o gene para seus descendentes, ou, dependendo da cruzar, nascer filhotes doentes
  3. Afetado: são os animais doentes
DoençasAa
AAA
saudável não portador
Aa
saudável portador
aAa
saudável portador
aa
afetado doente

DoençasAA
AAA
saudável não portador
AA
saudável não portador
aAa
saudável portador
Aa
saudável portador

Portanto, levar esses conceitos para a criação de animais é super importante para sua evolução e até mesmo a erradicação de doenças, de cunho genético. Pois várias características só podem ser detectadas através de exames específicos.

Antigamente este tipo de exame era caríssimo, mas hoje em dia eles estão a preços mais acessíveis, por US$ 120,00 é possível testar mais de 200 doenças genéticas e mais de 40 genes de características físicas (tipo de orelha, cores, comprimento de pelos….).

Merle aparente – “Mm”

Ambos são merles ocultos – “Mm”

Não merle – “mm” – Pelagem muito semelhante aos dos dois cães anteriores

Nossos olhos podem nos enganar!!!

Vale ressaltar aqui que a pelagem merle não é formada exclusivamente pelo gene M, mas sim por um conjunto de outros genes, como o vermelho recessivo (que pode esconder o merle), o preto, o tricolor, e, possivelmente outros que desconhecemos.

Por isso não podemos acreditar apenas no fenótipo para produzir filhotes livres de genes ruins que podem causar doenças, das mais simples a as mais perigosas e letais.

Acredito que a união dos dois, fenótipo e genótipo, podem trazer resultados ainda melhores para nossos cães!

Este post teve a contribuição da criadora e médica veterinária Luciana Machado

2 comentários em “Fenótipo x Genótipo

  1. Excelente explicação sobre fenótipo e genótipo. Adorei! Sigo você pois sou criadora da raça Rough Collie e futuramente Ovelheiro Gaúcho, no qual adquiri com a Dra e criadora Luciana Machado. Desde que comecei a criar em 2013, ela me ajudou muito sobre o assunto da genética. Que para mim é de extrema importância para quem realmente ama os animais e ama criar animais com toda a responsabilidade. Temos que estudar cada dia mais para que possamos trazer ao mundo filhotes saudáveis, essa deve ser a missão de um criador de animais, seja qual for o animal. Devemos realmente fazer os exames necessários antes de qualquer cruzamento. À Dra e criadora Luciana Machado o meu muito obrigada e gratidão.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: