Principais Doenças Genéticas

Composição genética do Indivíduo 12

Como o Ovelheiro Gaúcho é uma raça jovem ainda, fica difícil achar estudos sobre as doenças genéticas que podem afetar esses indivíduos. No entanto, como eles tem um descendência forte dos Collies, podemos usar o que sabemos como ponto de partida.

A minha amiga veterinária Luciana me enviou esse material das mais comuns doenças genéticas em várias raças.

Destaquei do documento as dos Collies

Penfigóide bolhoso: uma doença autoimune (ou seja, o corpo que ataca a si mesmo) associada
com a formação de bolhas dolorosas.

Câncer de bexiga: o carcinoma de células transicionais (TCC) da bexiga é prevalente em terriers escoceses e terriers brancos de West Highland. A exposição a herbicidas aumenta o risco de TCC, enquanto o aumento do consumo de vegetais com folhas verdes e laranja amarela diminui o risco de doença.

Catarata: como nos humanos, uma mudança na estrutura do cristalino do olho que leva à turvação e geralmente à cegueira.

Abiotrofia cortical cerebelar: malformação dos neurônios no cerebelo, uma parte do cérebro.

Hipoplasia coróide: o nome técnico da anomalia do olho de collie, esse distúrbio autossômico recessivo causa o desenvolvimento inadequado da camada vascular coróide sob a retina do olho em filhotes. Não existe tratamento ou cura. Visto em Collies, Border Collies, cães pastores Shetland, Pastores Australianos e Lancashire Heelers.

Anomalia do olho Collie: detectada por exame oftalmológico entre 5 a 8 semanas de idade. Visto em todo o mundo em várias raças e também collies rugosos e lisos. Na doença leve, a visão pode não ser prejudicada, mas os cães levemente afetados podem produzir descendentes gravemente afetados. Na forma grave, colobomas e descolamento de retina podem ocorrer por volta dos 2 anos de idade, embora a cegueira total seja raramente observada. O teste genético de uma amostra de sangue pode distinguir cães normais, portadores e afetados.

Coloboma: um desenvolvimento anormal do olho, geralmente visto em collies, que pode levar à cegueira.

Colobomas com afacia: iguais aos anteriores, mas com ausência congênita do cristalino.

Distrofia da córnea: uma anormalidade da córnea geralmente caracterizada por cavidades rasas na superfície.

Neutropenia cíclica: uma condição caracterizada pela redução periódica dos neutrófilos, um tipo de glóbulo branco. Geralmente visto em collies cinzentos.

Surdez: incapacidade de ouvir, devido a muitas causas diferentes. Em dálmatas, a surdez congênita está associada à cor dos olhos azuis.

Demodicose: um tipo de doença de pele (sarna) causada por ácaros Demodex canis microscópicos que vivem dentro das camadas da pele e produzem uma síndrome de imunodeficiência.

Dermatomiosite: uma doença que afeta a pele e os músculos, geralmente em Collies ou cães Pastores de Shetland.

Lúpus eritematoso discóide: uma forma de doença autoimune que afeta a pele.

Distiquíase: cílios com crescimento anormal.

Nanismo: uma anormalidade do padrão de crescimento normal resultando em um indivíduo subdimensionado

Entrópio: um enrolar anormal da pálpebra.

Epilepsia: uma doença caracterizada por convulsões (ataques) e/ou distúrbios da consciência. O hipotireoidismo pode predispor a convulsões.

Deficiência de fator VIII ou hemofilia A: o distúrbio de coagulação hereditário grave mais comum em humanos e animais não humanos. Herdado como um traço recessivo ligado ao sexo (transmitido por mulheres e manifestado em homens). Afeta a maioria das raças de cães.

Histiocitoma fibroso: um tipo de tumor fibroso originado de células chamadas histiócitos.

Torção gástrica: uma condição em que o estômago se torce, impedindo assim a entrada e saída, causando inchaço (volvo de dilatação gástrica; GDV)

Adenite sebácea granulomatosa: doença das glândulas sebáceas (sudoríparas) da pele caracterizada pelo crescimento reativo do tecido e destruição autoimune das glândulas sebáceas. A perda de cabelo ocorre e não responde ao tratamento. Comum em Poodles padrão, Akitas, Samoiedas, Vizslas e várias outras raças.

Hemofilia A: um distúrbio da coagulação do sangue devido à deficiência do fator VIII de coagulação (este é o tipo mais comum de hemofilia em cães).

Displasia do quadril: uma malformação do desenvolvimento ou subluxação das articulações do quadril.

Hipotireoidismo: uma doença endócrina muito comum em que o corpo produz uma quantidade anormalmente baixa de hormônios tireoidianos. Destruição auto-imune da glândula tireóide que afeta mais de 50 raças de cães.

Hérnia inguinal: uma ruptura na camada muscular da parede corporal que ocorre no canal inguinal (onde a perna traseira encontra o corpo).

Heterocromia da íris: uma condição em que uma íris tem uma cor diferente da outra ou tem mais de uma cor.

Sensibilidade à ivermectina: uma condição prevalente em collies e algumas outras raças em que uma mutação do gene MDRI produz suscetibilidade à toxicidade da ivermectina. (Cães com essa mutação também são sensíveis a vários outros medicamentos)

Tireoidite linfocítica: uma doença autoimune que causa inflamação e destruição da glândula tireoide, que se infiltra com linfócitos (glóbulos brancos) e leva ao hipotireoidismo. Esta é a doença endócrina mais comum do cão e tem uma predisposição hereditária.

Microftalmia: uma condição em que um ou ambos os olhos são muito pequenos.

Colobomas múltiplos: uma anormalidade do desenvolvimento das estruturas do olho.

Piodermite nasal: infecção da pele do nariz.

Dermatite solar nasal: uma doença de pele do nariz e focinho que é muito afetada pela exposição ao sol. Comum em collies, white bull terriers e outras raças de pêlo branco.

Hipoplasia do nervo óptico: uma condição em que o nervo óptico que vai do olho ao cérebro é muito pequeno.

Osteocondrite dissecante: uma forma específica de inflamação da cartilagem de certas articulações que causa artrite.

Osteocondrose: um grupo de doenças do desenvolvimento que resulta na formulação anormal da cartilagem articular. Geralmente envolve o ombro, joelho, jarrete ou cotovelo.

Persistência do canal arterial: falha do vaso remanescente que se junta à aorta e à artéria pulmonar na vida fetal para fechar adequadamente ao nascimento, desviando assim o sangue dos pulmões.

Pênfigo eritematoso: uma das muitas doenças de pele causadas por um mecanismo autoimune.

Pênfigo foliáceo: outra doença de pele causada pela destruição autoimune de tecidos.

Membrana pupilar persistente: uma anormalidade de desenvolvimento em que a membrana que forma a íris não se forma adequadamente.

Pododermatite: infecção da pele das patas, geralmente envolvendo leveduras.

Atrofia progressiva da retina: uma doença em que a retina se deteriora lentamente, produzindo cegueira noturna.

Descolamento de retina: onde a retina é desconectada na parte de trás do olho.

Displasia retiniana: uma condição em que a retina é malformada.

Tireoidite: uma doença inflamatória auto-imune da glândula tireóide.

Hérnia umbilical: uma ruptura na parede muscular abdominal no ponto em que o cordão umbilical entra no corpo.

Doença de von Willebrand: um tipo de distúrbio hemorrágico causado por função defeituosa das plaquetas sanguíneas. Ocorre em 59 raças de cães, mas mais frequentemente em Doberman pinschers. Traço autossômico que afeta ambos os sexos.

Um comentário em “Principais Doenças Genéticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: